O MEU NATAL EM PEQUENA Um texto da Aluna: MARIA CARVÃO

O meu Natal em pequena

Sou da Terrugem Elvas.

Na minha terra começava-se a viver o Natal uns dias antes. Escolhia-se o maior madeiro, para a lareira para durar toda a noite acesa, começavam-se a fazer os fritos.

As famílias ajudavam-se mutuamente. Uns faziam filhoses que aqui lhe chamam coscorões, outros faziam nogados, azevias. e outros borrachos, estes eram assim chamados porque eram amassados com vinho branco, e era dos que eu mais gostava. Ainda hoje cumpro a tradição de os fazer em minha casa.

À noite jantava-se com a família e desde o jantar até à hora da Missa do Galo cantávamos canções ao menino Jesus com roncas feitas pelos pais e tios.

Chegada a hora da missa do Galo íamos-mos todos para a Igreja festejar o nascimento de Jesus. Quando chegávamos da Missa deixávamos o sapatinho à chaminé, e só no outro dia de manhã, é que via-mos o que lá estava chocolates 5 tabletes atadas com uma fita que se chamava uma prenda um ratinho e bombons que nunca sabíamos ao certo quantos lá estavam porque o nosso irmão mais velho levantava-se cedo e comia um ou dois de cada sapato.

No dia de Natal íamos novamente à Missa para vermos o Presépio e deixar lá uma moeda que era para o menino Jesus.

 

Maria Carvão

Para que a sua visita neste website seja tão cómoda quanto possível, utilizamos cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Ao continuar a navegar neste site, concorda com a nossa política de cookies.